Direito Tributário para provas de Delegado: por que estudar?

16/01/18 | Carreiras | por

Vocês já devem ter observado que a cada novo concurso de delegado lá está ele: o temido Direito Tributário. Seja com conteúdo programático próprio, seja escondido no Conteúdo de Direito Constitucional. Mas fato é que a disciplina está cada vez mais presente nestes certames. E agora? O que fazer?

Esta (nem tão) nova tendência não pode ser desconsiderada por aqueles que almejam o cargo de delegado. A primeira razão para isso é muito óbvia: nenhuma disciplina do seu concurso pode ser ignorada, e a segunda, e não tão óbvia assim é que esta disciplina, para muitos tormentosa, PODE FAZER A DIFERENÇA NO SEU CONCURSO!

E por que eu digo isso? Ora, Direito Penal, Processo Penal, Criminologia, Constitucional, Administrativo, todos os concorrentes dominam. Contudo, disciplinas que nem sempre se fizeram presentes em certames como este, podem diferenciar o aprovado do reprovado.

O concurseiro que estuda apenas as matérias que gosta está “chovendo no molhado”: não cresce, não evolui e não alcança o ponto que faltava para sua aprovação. Eu já sofri isso na pele em uma situação parecida à realidade dos concursos públicos: no também temido Vestibular.

Venho de uma família humilde, fui a primeira na família a ter curso superior, mas não sem muito sacrifício daqueles que sempre me apoiaram e também não sem aprender com meus erros. Sempre fui muito boa em humanas, então no Vestibular de 2006 estudei apenas o que gostava, sobretudo história. Afinal era a matéria que eu gostava e eu iria precisar dela na fase discursiva. Deixei de lado a pavorosa física. E até hoje me arrependo disso. Fiz minha prova, alcancei a pontuação mínima para ir para a segunda fase do vestibular da UFMG, mas fui sumariamente reprovada por não ter atingido a pontuação mínima em física: precisava de 5 acertos, consegui apenas 3.

Com isso eu “perdi” um ano da minha vida. Como meus pais não teriam condição de pagar uma faculdade me restava o ensino público ou nada. No ano seguinte, ainda amargando meu erro eu aprendi com ele: me dediquei às disciplinas que tinha mais dificuldade – física e matemática – o resto eu estudava entre um intervalo e outro, de forma consciente e organizada. 2007 bateu na porta, com ele outro vestibular e aí sim a felicidade de ser aprovada.

Com concurso público, guardadas as devidas proporções, não é diferente! Invista em disciplinas que são o seu fraco, saiba tudo das disciplinas que são o carro-chefe do seu cargo, claro, mas NÃO MENOSPREZE as disciplinas não óbvias. Assim como a física me fez perder um ano, o Tributário, se menosprezado, também pode te derrubar ainda que você seja o Rei das Ciências Criminais.

Então, dispense seu tempo também a essa disciplina! Jogue todo seu ranço e resistência pra lá, abra espaço pro Tributário e deixe a disciplina te cativar! Você verá o tanto que Penal e Tributário são parecidos. Interdisciplinaridade é a onda do momento. Costumo dizer que são primos, amarrados no princípio da legalidade.

E conte conosco nessa caminhada e saiba que você pode dominar o Tributário, assim como domina o Penal e todos os outros desafios da sua vida. Te ajudaremos como pudermos nesta empreitada!

Quer seu cargo? Então agarre-o futuro Delegado de Polícia.

Forte abraço, com muito Direito Tributário!

Professora Lílian Souza.

Compartilhe este post!

2 Comments - Quero comentar!

  • Professora Lilian: faço minhas as usas sábias palavras! Sou professora de D.Tributário e começarei novo preparatório e minha fala inicial trata, justamente, disso – faça a diferença sendo “o cara” do Tributário!

    Comentário por MARIA AUGUSTA FERNANDES JUSTINIANO — janeiro 25, 2018 @ 11:23 am

  • Infelizmente temos que estudar, né? Mas ainda não vejo muito sentido

    Comentário por Márcio — janeiro 29, 2018 @ 7:59 pm

RSS feed para comentários neste post. TrackBack URL

Deixe seu comentário