Recursos. Delegado do Rio Grande do Sul

24/05/18 | Carreiras | por

O Time Supremo caminha de mãos dadas com seus alunos até a aprovação. Assim, nossos professores fizeram comentários e manifestaram suas opiniões sobre a prova objetiva de Delegado de Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul, realizada no dia 20 de maio de 2018, inclusive levantando fundamentos para recursos.

Em MEDICINA LEGAL, a profa. Luciana Gazzola elaborou os seguintes fundamentos:

 

Questão 73.

Na questão de nº 73, acerca de ferimentos causados por projetis de armas de fogo, a banca examinadora considerou como a alternativa adequada no gabarito preliminar a contida na letra D. Pedia-se que o candidato indicasse a assertiva INCORRETA.
A questão apresenta, contudo, duas alternativas que se encontram incorretas: a letra D está efetivamente incorreta, mas a alternativa contida na letra E também mostra-se errônea.
Na letra E, afirmava-se que, não havendo informações disponíveis além das obtidas na necropsia, o Perito Médico Legista, ao estudar a direção dos tiros, deveria descrever a trajetória considerando o cadáver na posição anatômica.
Ocorre que, ao redigir a assertiva, o examinador cometeu um erro ao considerar que cabe ao Médico Legista a descrição da trajetória. Não lhe cabe tal análise, mas apenas a do trajeto.
Hygino de Carvalho Hércules é cristalino ao afirmar, em sua obra Medicina Legal Texto e Atlas, frase bastante assemelhada à trazida pela banca na alternativa E; porém, considerando o termo correto, que seria TRAJETO e não trajetória.
Veja-se o que dispõe o autor:
“Sem auxílio dos dados levantados no local do crime, o perito deve evitar um compromisso com a direção do tiro no espaço e se referir sempre ao TRAJETO com o corpo na posição anatômica clássica”. (HÉRCULES, Hygino de Carvalho. Medicina legal: texto e atlas. 2a ed. São Paulo: Atheneu, 2014. p. 280).
Sabe-se que cabe ao Médico Legista a análise do trajeto, que é o caminho percorrido pelo projétil no interior do corpo, sendo atribuição do Perito Criminal a avaliação da trajetória, na análise de perinecroscopia.
Dessa forma, há duas assertivas incorretas na questão: as alternativas D e E.
Por tal razão e com a máxima vênia, acredita-se que a questão de nº 73 deva ser anulada, sendo os pontos a ela referentes atribuídos a todos os candidatos.

 

Já em LÍNGUA PORTUGUESA, o prof. Carlos Zambeli fez as seguintes observações:

Questão 1

Solicito a retificação do gabarito para B e não C como foi apresentado.

Justificativa: No item I, não ocorre crase na linha 3, pois a enumeração a que ela pertence não é regida de preposição. A lacuna da linha 3 deve ser preenchida apenas com um artigo.

 

Questão 2

Solicito a retificação do gabarito para B e não C como foi apresentado.

Justificativa: No item II, não há condição para o uso da crase, visto que não há um substantivo feminino. O substantivo “meio” é masculino.

 

Questão 7

Solicito a retificação do gabarito para B e não D como foi apresentado.

Justificativa: O item I está classificado de forma errônea, visto que a oração destacada “Estimular o plantio de árvores” exerce a função de sujeito do verbo “são” da linha 26. É, portanto, classificada como uma oração subordinada substantiva subjetiva. Assim esse item está errado.

Em Direito Civil e Direito Administrativo, os professsores entenderam que, em que pese a má redação de algumas questões, levando a situações dúbias ou incompletas, não seria viável formularem recursos.

Os demais professores estão analisando as questões. Caso nos enviem fundamentos, publicaremos neste mesmo post. Fiquem ligados.

Compartilhe este post!

Nenhum comentário - Quero comentar!

Nenhum comentário ainda.

RSS feed para comentários neste post. TrackBack URL

Deixe seu comentário