Decretos sobre armas de fogo entram em vigor com trechos suspensos por Rosa Weber

Quatro novos decretos sobre armas de fogo entraram em vigor no dia 13/04/2021, mas Rosa Weber, no dia anterior, suspendeu a eficácia de alguns de seus trechos. Continue a leitura e entenda.

Entraram em vigor, no dia 13/04/2021, quatro novos decretos presidenciais que regulamentam o Estatuto do Desarmamento. Publicados em 12/02/2021, dispõem sobre aquisição, cadastro, registro, posse e porte de armas de fogo, acessórios e munições. São eles: Decreto nº 10.627, Decreto nº 10.628, Decreto nº 10.629 e Decreto nº 10.630.

Dias após a publicação, partidos políticos questionaram sua constitucionalidade através das Ações Diretas de Inconstitucionalidade 6675, 6676, 6677, 6680 e 6695, sob relatoria da ministra Rosa Weber. Diante desse contexto, no dia 12/04/2021 a ministra relatora deferiu liminarmente a suspensão da eficácia de diversos de seus dispositivos. Segundo ela, a iminência da entrada em vigor “torna concreta e presente a necessidade da análise imediata dos pedidos formulados em sede cautelar, considerada a configuração de perigo de dano e de risco ao resultado útil do processo, caso se aguarde sua apreciação colegiada.”.

Dentre os fundamentos, Rosa Weber afirmou que “Os Decretos presidenciais impugnados, ao inovarem na ordem jurídica, fragilizaram o programa normativo estabelecido na Lei 10.826/2003, que inaugurou uma política de controle responsável de armas de fogo e munições no território nacional.”. Também destacou que as normas “exorbitam dos limites do poder regulamentar outorgado pela constituição ao presidente da república, vulnerando, ainda, políticas públicas de proteção a direitos fundamentais.”.

A ministra disse, ainda, que as inovações regulamentares são incompatíveis com o sistema de controle e de fiscalização instituído pelo Estatuto do Desarmamento e que armas de fogo, acessórios e munições causam efeitos prejudiciais à segurança das pessoas, ao bem-estar da população, ao desenvolvimento socioeconômico do Estado e ao direito à convivência em harmonia e paz.

Por fim, ressaltou que é dever do Estado promover a segurança pública como corolário do direito à vida e que o amplo acesso aos produtos abrangidos pelos decretos causa “evidente retrocesso em direitos fundamentais, vulnerando, especialmente, o direito à vida (CF, arts. 5º, caput, 227 e 230), à segurança pública (CF, art. 144) e à dignidade da pessoa humana (CF, art. 1º, III).”.

Nesse sentido, foram suspensos pela ministra Rosa Weber os seguintes trechos:

  • Afastamento do controle exercido pelo Comando do Exército sobre “projéteis de munição para armas de porte ou portáteis, até o calibre máximo de 12,7 mm”, das “máquinas e prensas (…) para recarga de munições”, das “miras optrônicas, holográficas ou reflexivas” e das “miras telescópicas”;
  • Autorização para a prática de tiro recreativo em entidades e clubes de tiro, independentemente de prévio registro dos praticantes;
  • Possibilidade de aquisição de até 06 armas de fogo de uso permitido por civis e 08 armas por agentes estatais com simples declaração de necessidade, revestida de presunção de veracidade;
  • Comprovação pelos CACs da capacidade técnica para o manuseio de armas de fogo por laudo de instrutor de tiro desportivo;
  • Comprovação pelos CACs da aptidão psicológica para aquisição de arma de fogo, mediante laudo fornecido por psicólogo com registro profissional ativo em Conselho Regional de Psicologia, dispensado o credenciamento na Polícia Federal;
  • Dispensa de prévia autorização do Comando do Exército para que os CACs possam adquirir armas de fogo;
  • Aumento do limite máximo de munições que podem ser adquiridas, anualmente, pelos CACs;
  • Possibilidade do Comando do Exército autorizar a aquisição pelos CACs de munições em número superior aos limites pré-estabelecidos;
  • Aquisição de munições por entidades e escolas de tiro em quantidade ilimitada;
  • Prática de tiro desportivo por adolescentes a partir dos 14 anos de idade completos;
  • Validade do porte de armas para todo território nacional;
  • Porte de trânsito dos CACs para armas de fogo municiadas;
  • Porte simultâneo de até duas armas de fogo por cidadãos.

É importante lembrar que as Ações Direitas de Inconstitucionalidade foram inseridas na pauta do Plenário Virtual, de 16/04/2021 a 23/04/2021, para apreciação colegiada.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos!

Clique aqui e leia a íntegra da decisão: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/ADI6675.pdf

Fique atento ao nosso site, às nossas redes sociais e prepare-se conosco!

Conheça nossos cursos em supremotv.com.br e siga-nos no Instagram: @supremotv.

Aproveite para seguir nosso canal no Telegram! Divulgamos conteúdos exclusivos e em primeira mão para você saber de editais e notícias antes de todo mundo! Faça parte agora mesmo: bit.ly/TelegramSupremo.

Compartilhe este post!

Nenhum comentário - Quero comentar!

Nenhum comentário ainda.

RSS feed para comentários neste post. TrackBack URL

Deixe seu comentário